sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009

Devíamos ter-nos conhecido há muito tempo...

"_ Devíamos ter-nos conhecido há muito tempo…
_ Mas conhecemo-nos há muito tempo – replicou Galip, olhando-a no espelho. _ Não nos sentávamos no mesmo banco de escola, mas quando, nos primeiros dias amenos da Primavera, se abriam as janelas da sala de aula depois de grandes discussões entre prós e contras, eu contemplava, como estou a fazer agora, o reflexo do teu rosto na vidraça que o quadro preto transformava em espelho.
_ Hum… Devíamos ter-nos conhecido há muito tempo.
_ Conhecemo-nos há muito tempo – repetiu Galip. A primeira vez que te vi, as tuas pernas pareceram-me tão delicadas, tão frágeis, que tive medo de as ver partirem-se. Parece-me que a tua pele era mais grossa quando eras miúdas, mas quando cresceste, durante os teus anos de liceu, ganhaste novas cores e a tua tez tornou-se incrivelmente delicada. Nos dias quentes de Verão, quando fazíamos trinta por uma linha lá em casa, ou quando voltávamos da praia, lambendo os nossos cones de gelado comprados em Tarabya, e quando arranhávamos os braços para escrever coisas na nossa pele esbranquiçada de sal, eu adorava a penugem dos teus braços tão finos. Adorava as tuas pernas rosadas pelos raios do sol. Gostava tanto dos teus cabelos que se espalhavam por cima da tua cara, quando estendias o braço para tirares alguma coisa da prateleira por cima da minha cabeça…
_ Devíamos ter-nos conhecido há muito tempo. ”

Orhan Pamuk, Os Jardins da Memória

5 comentários:

Sandra disse...

Se calhar até que deviam :D

beijo *

ลndreia disse...

Oh... tão lindo... *

Adélia disse...

... :)

miguel, miguel miguel disse...

é bem bonito, esse excerto :o

é pena que há muita, demasiada gente assim. muitos casais que só se vêm a conhecer 20 ou 30 anos depois, amigos que só se vem a conhecer depois de termos confiado neles...

enfim, não deve ser esse o espírito da coisa :)

Até logo

© Piedade Araújo Sol disse...

gostei de ler.

beij

e bom carnaval!