segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

Antídoto

"Somos o medo. Conhecemos tantas histórias. Todos os amantes que olham pela janela e imaginam que se perderam para sempre. Todos os homens que, num quarto de hospital, abraçam os filhos. Todos os afogados que, pela última vez, levantam a cabeça fora de água. Todos os homens que escondem segredos. E tu? Escondes algum segredo? Não precisas de responder. Conhecemos a tua história. Vimos-te mesmo quando não nos vias. Vemos-te agora. Escondes algum segredo? Responde quando te olhares ao espelho. O teu rosto duplicado: o teu rosto e o teu rosto. Quando vires os teus olhos a verem-te, quando não souberes se tu és ou se o teu reflexo no espelho és tu, quando não conseguires distinguir-te de ti, olha para o fundo dessa pessoas que és e imagina o que aconteceria se todos soubessem aquilo que só tu sabes sobre ti. Nesse momento, estaremos contigo. Envolver-te-emos e estarás sozinho."
in, Antídoto, José Luís Peixoto

3 comentários:

Sandra disse...

é realmente bem bonito este excerto :))

beijinhos

Daniel Silva (Lobinho) disse...

Gosto muito da escrita dele e do seu blogue que descura muito e do seu hi5 etc... mas é um escritor de eleição. Hoje queria dizer-te que passasses no meu blogue. Perceberás porquê :)

Obrigado pelas palavras de parabéns de um ano do meu espaço.

Aquele sempre abraço :)

Rita :D disse...

Realmente bonito (: