quinta-feira, 5 de agosto de 2010

Relógio de vento


'i'll be your mirror, reflect what you are...'

tu já me arrumaste no armário dos restos
eu já te guardei na gaveta dos corpos perdidos
e das nossas memórias começamos a varrer
as pequenas gotas de felicidade
que já fomos.
mas no tempo subjectivo
tu és ainda o meu relógio de vento
a minha máquina aceleradora de sangue
e por quanto tempo ainda
as minhas mãos serão para ti
o nocturno passeio do gato no telhado?

isabel meyrelles

['o rosto deserto', edição bilíngue, 1966]

Um comentário:

Daniel Silva (Lobinho) disse...

És grande, e é um prazer ter-te tambem no facebook :)

abraçao