domingo, 31 de agosto de 2008


O escuro torna-os diferentes,
E a elegância do passado mata-os.

Sedentos de amor,
Ouvem coisas sem sentido.
Mas mantêm-se vivos,
Porque estão carentes.

5 comentários:

© Piedade Araújo Sol disse...

Mas mantêm-se vivos.
Porque estão carentes,
Ouvem coisas sem sentido.
Sedentos de amor,

E a elegância do passado mata-os
O escuro torna-os diferentes,

As palavras sao as tuas eu apenas as coloquei em sentido inverso.

dizem-me que eu ando às avessas, mas eu leio sempre um poema das duas maneiras.

eu entendi a tua mensagem, escondida neste breve mas pertinente poema.

um beij

Sandra Vale disse...

obrigado pelo comentário, :).
Que grande post :) *

Marta disse...

O que pode mesmo matar é o estado de carência, se for em exagero! Há que saber moderar todas as coisas.

:)

Beijinhos

Heraclita disse...

Gosto de todo o texto em especial o primeiro verso.
bjo

Silentya disse...

Desde o momento em que li este poema, senti-me logo identificada com ele.. Não terá sido feito em minha honra?? (hehe estou a brincar).
Belo texto..